30 de out de 2008

O SORRISO DE AMY WINHEHOUSE




SEM PALAVRAS

ESTRELAS DA FORMULA 1 SE CUMPRIMENTAM


Hamilton e Massa se cumprimentam em São Paulo com aperto de mãos e sorrisos.
Pilotos repetem discurso e afirmam que será ‘apenas mais uma corrida’
Eram duas cadeiras em primeiro plano e três logo atrás. Na frente delas, um batalhão de jornalistas esperando os principais personagens da semana em Interlagos. Lewis Hamilton e Felipe Massa, que lutam pelo título mundial de Fórmula 1, sentaram-se lado a lado na manhã desta quinta-feira, no autódromo. Atendendo ao pedido dos fotógrafos, o inglês e o brasileiro apertaram as mãos antes da entrevista e trocaram sorrisos. Atrás deles, David Coulthard, Rubens Barrichello e Nelsinho Piquet repetiram o gesto, provocando risos em quem estava na sala.

A diferença entre Hamilton e Massa é de sete pontos. Para ser campeão, o piloto da Ferrari precisa, no mínimo, chegar em segundo e torcer para que o rival fique em oitavo – ou vencer a corrida e contar com a sexta colocação do inglês. Mesmo assim, o brasileiro prefere reduzir o peso da disputa.

saiba mais
Kimi reitera: 'Vou ajudar Felipe Massa'
Massa: 'No kart e nas categorias de base, eu sempre ganhava quando chovia'
INFOGAME: teste seu talento no pit stop
- É uma corrida como outra qualquer. Quando estou pilotando, não importa se é um kart ou um Fórmula 1. Penso somente em vencer. A motivação é vencer a corrida. É o mesmo agora. Existe a expectativa e pressão, mas quando se está guiando não se pensa nisso - diz Massa, com aparência tranqüila.

Hamilton também demonstrou tranqüilidade para a decisão do campeonato. Após o erro na prova do ano passado, perdeu posições na tentativa de ultrapassar Fernando Alonso e depois ainda teve um problema no câmbio, terminando em sétimo, o piloto da McLaren afirma que não se sente pressionado.

- É só mais uma corrida e não existe pressão. Estou bastante entusiasmado para o doming

28 de out de 2008

CORRIJA O QUE DESTROE A BELEZA


Antes de reclamar, corrija as 10 manias que destroem sua beleza
Espremer espinhas, raspar o esmalte, dormir maquiada e outros desastres

Você gasta uma fortuna no salão e na esteticista. Mesmo assim, não falta do que reclamar: o cabelo poderia deixar de cair e seria ótimo se as unhas crescessem de uma vez, sem quebrar tanto. Mas será que, em vez e vítima, você é a culpada de tudo isso? Muitos hábitos são o terror da beleza, e a gente cultiva todos eles sem nem perceber. Duvida?

Então confira abaixo as dicas do dermatologista Ademir Jr. Com olhar atento, ele aponta e comenta as dez manias que mais sabotam sua imagem no espelho. Faça uma lista daquelas que, realmente, atrapalham sua auto-estima e comece já um programa de recuperação.

1. Espremer cravos e espinhas
Prejuízos: normalmente, você faz isso a qualquer hora e lugar, sem se preocupar com a higienização prévia da pele e muito menos das mãos e das unhas. Com isso, você contamina a pele com microorganismos que, em seguida, vão se transformar em novos cravos e espinhas, além de produzir marcas e manchas no rosto.

Como cuidar: o ideal é fazer uma limpeza de pele por mês, removendo cravos e espinhas com um bom profissional e fazer uso diário de produtos de higienização específicos para cada tipo de pele. As marcas já existentes podem ser tratadas com cremes clareadores ou com aplicações de laser.

2. Dormir com maquiagem
Prejuízos: somada à poluição, a maquiagem tampa os poros e impede a eliminação da oleosidade natural (que escapa pelos poros). Com isso, vão se formando rolhas de sebo, que dão origem a cravos e espinhas. Além disso, o mau hábito causa o envelhecimento precoce pela falta de oxigenação.

Como cuidar: faça sempre uso de demaquilante, além de esfoliar a pele a cada 15 dias. Isso remove as células mortas e incentiva a renovação dos tecidos. Também aplique loções ou cremes de hidratação para o seu tipo de pele diariamente. E nunca se esqueça: passe o filtro solar antes da maquiagem ou prefira produtos que já contenham protetor na fórmula.

3. Esquecer o filtro solar
Prejuízos: o envelhecimento precoce é o efeito mais sutil provocado pelo esquecimento do uso diário de proteção solar. O descaso ainda rende manchas da pele, acentua as marcas de expressão e deixa você exposto aos riscos de câncer de pele.

Como cuidar: faça hidratações com esfoliação para remover as células mortas. Contra o envelhecimento, a solução está nas aplicações de laser e nos cremes antiidade, além de peelings voltados à renovação celular. Mas nada disso adianta caso você continue deixando o protetor empoeirar no armário. Aplique sempre no rosto, no colo e nas mãos (áreas que ficam expostas diariamente aos raios ultravioletas).

4. Roer as unhas
Prejuízos: o hábito de roer as unhas é chamado de onicofagia e, além do desastre estético, expõe você a uma série de riscos. Isso porque, levando os dedos à boca, os microorganismos que se acumulam sob as unhas têm acesso ao seu organismo e podem provocar uma série de doenças, desde infecções até verminoses. Você ainda desgasta o esmalte dos dentes, deforma as unhas e, ao retirar a pele em volta delas, machuca os dedos e favorece infecções na região

Como cuidar: você pode prestar atenção e descobrir em que situações sente necessidade de roer as unhas, começando a se policiar. Algumas vezes, a ajuda de um psicólogo é necessária (em uma ou duas sessões, ele já consegue identificar a origem do problema e, se for só isso o que incomoda, você está de alta). Para proteger as unhas, use cremes específicos e tente ir à manicure semanalmente ou sempre que os esmaltes começarem a descascar: dá dó de roer as unhas feitas.

5. Arrancar fios de cabelo (tricotilomania)
Prejuízos: a mania de arrancar os cabelos, na maioria das vezes, reflete um estado de tensão ou ansiedade. Há quem faça isso de vez em quando, enquanto outras pessoas, simplesmente, não conseguem ficar com as mãos livres sem levá-las à cabeça. Feridas e manchas calvas no couro cabeludo são conseqüências do problema.

Como cuidar: use xampus ou tônicos que ativam a circulação do couro cabeludo, estimulando o crescimento do cabelo. Usar o cabelo preso também ajuda a resistir os impulsos.

26 de out de 2008

O PREÇO DO AMOR PLATÔNICO


O preço do amor platônico
Saber definir sentimentos e enfrentá-los é uma dádiva

O que torna os amores impossíveis mais atraentes é justamente a impossibilidade. Esta atrai. A dificuldade de não ter a pessoa que desejamos nos impulsiona, nos motiva. Funciona exatamente como o perigo. Muitos fazem isso para provar sua força, sua capacidade de conquista. Quanto mais difícil e distante, mais o amor parece ser grande, excepcional e único. E quem não quer viver algo grande, excepcional e único? Em um amor impossível cabem todos os sonhos, todas as perfeições e personagens, o mínimo detalhe é idealizado. Construímos uma imagem em nossa cabeça, que aquela pessoa é única, e é exatamente o que passamos a vida inteira procurando, mesmo que tudo pareça contra. Um amor impossível marca para sempre, mesmo se outros amores vêm e vão depois. Ele sempre deixa aquela sensação de vazio, de inacabado, mal resolvido. E tudo que é mal resolvido, preocupa, incomoda e atormenta. Pois, junto dele, vem a dúvida do e se (e se eu tivesse tentado, tivesse feito diferente etc).

É difícil conviver com uma ilusão. Pois a ilusão não tem resposta, ela não é sim nem não. Ela é meio termo e o meio termo atormenta as pessoas.

Acontece de um amor aparentemente "impossível" se tornar possível e isso quase sempre rouba a magia do sentimento. Inconscientemente muitos sabem disso, o que leva as pessoas a preferirem viver um impossível que dá a satisfação que um possível só poderá abrir os olhos para a realidade.
Porque uma vez que o amor torna-se possível, acaba a expectativa, acaba o sonho. E o homem foi feito para sonhar.

Um amor impossível é forte, resiste ao tempo, ele pode marcar uma pessoa mais que toda uma vida vivida ao lado de outra. Portanto. liberte-se desta ilusão.

Fernando Carrara

24 de out de 2008

SOYUZ VOLTA A TERRA COM TURISTA ESPACIAL

O turista espacial americano Richard Garriott fala em telefone via satélite após sua chegada (Foto: Dmitry Kostyukov/AP)
Cápsula desceu no Cazaquistão.
Missão retornou da Estação Espacial Internacional.

A nave russa Soyuz TMA-12, com os cosmonautas russos Sergei Volkov e Oleg Kononenko e o turista espacial americano Richard Garriott, aterrissou no Cazaquistão. A nave, que tinha deixado duas horas e meia antes a Estação Espacial Internacional (ISS), aterrissou cerca de 300 km ao leste de Astana, a capital do Cazaquistão, como estava previsto. (Foto: AP Photo/NASA e Dmitry Kostyukov/AFP Photo )

PROMESSA DE VIRGINDADE EM FORMA DE ANEL


Promessa em forma de anel
Em tempos modernos, adolescentes optam por permanecerem virgens até o casamento e simbolizam a promessa usando o anel da pureza
Antigamente, permanecer puro e casto até o casamento era questão de honra e dignidade. Hoje em dia, os conceitos são outros e esse tipo de exigência é muito menos comum do que era há um tempo. Mesmo assim, há quem prometa se manter virgem até casar. E para simbolizar essa promessa, muitos adolescentes adotaram o já famoso anel da pureza - ou da castidade.

"O anel é o símbolo do compromisso com Deus, assim como se usa em um namoro e em um casamento, mostrando fidelidade", explica Patrícia Candido, 17 anos. A estudante usa o anel da pureza há quase um mês e, junto com ela, duas amigas também resolveram aderir ao símbolo da castidade. "Eu e minhas duas amigas resolvemos adotar o anel a pureza pela gente e pela nossa amizade", conta Patrícia.

No anel da estudante, está escrito o lema do pacto, "True Love Waits" (em tradução literal, "O verdadeiro amor espera"), e "Just Friends" (em tradução literal, "Apenas amigas"). Assim como a aliança de casamento, o anel da pureza deve ser usado no dedo anelar da mão esquerda. "Ele deve ser retirada apenas no dia do casamento e no lugar, é colocada a aliança de compromisso. A minha promessa foi feita até o casamento, e eu pretendo cumpri-la!", explica Patrícia.

14 de out de 2008

HAMILTON NÃO É MELHOR QUE SENNA



Tóquio, 14 out (EFE).- O piloto inglês Lewis Hamilton, líder do Mundial da Fórmula 1 com sua McLaren, desmentiu que teria dito ser melhor que o brasileiro Ayrton Senna, três vezes campeão mundial e um dos maiores ídolos da Fórmula 1.

"Nunca disse que me considero melhor que ele porque é o meu piloto favorito. Acho que Senna foi o melhor da história e que ninguém conseguiria batê-lo, mesmo atualmente", comentou o piloto em entrevista publicada no seu site pessoal.

"Para mim, já seria um sonho se pudesse conseguir apenas uma pequena parte do que ele obteve", completou.

Além disso, ele explicou que nunca dirá que se considera o melhor: "Nunca direi que sou melhor que ninguém. Sou um piloto de Fórmula 1 e precisamos acreditar em nós mesmos para chegar até onde chegamos", comentou.

Para Hamilton, os pilotos precisam agir assim para chegar aos bons resultados: "Isso é o que me ajuda a melhorar o rendimento e conseguir mais metas na vida", afirmou.

"Quando vejo os outros pilotos, quero vencê-los. Simplesmente acho que eles são os melhores e que, para ser o melhor, preciso vencê-los. É assim que os pilotos sempre viram as coisas", explicou.

O inglês reclamou de estar sendo mal-interpretado em algumas declarações. "Ultimamente apareceram declarações atribuídas a mim que foram aumentadas, tiradas fora de contexto ou nas quais não me expressei corretamente", disse.

"Sou um ser humano e as pessoas cometem erros. A comunicação é muito importante na vida. Algumas das coisas que disse não tiveram como objetivo ferir ninguém. Não tenho a sensação de ter machucado ninguém. Minha família tem certeza de que isso é assim", comentou Hamilton.

O piloto da McLaren acredita que sabe conviver com sua condição de celebridade: "Acho que esse aspecto da minha vida está sob controle. Não vejo a mim mesmo como uma celebridade, acho que sou a mesma pessoa que antes de chegar à Fórmula 1. Talvez um pouco mais comedido".

"É certo que às vezes quis voltar atrás, retornar à época do kart, ao processo de aprendizagem na Formula Renault, a meus primeiros treinamentos na Fórmula 1. Gostaria de poder fazer tudo isso de novo", ressaltou.

12 de out de 2008

PROBLEMAS DENTÁRIOS PODE CAUSAR INFARTO



Dentista explica que higiene bucal vai muito além de proteger os dentes.
Nervos inflamados podem virar porta de entrada para perigosas infecções.
Não cuidar da higiene bucal pode causar cáries e perdas de dentes, todo mundo sabe. Mas não só isso. Você já imaginou que um infarto pode ser causado por má escovação? E um câncer? Pois é bem possível. É esse o alerta do presidente do Conselho Regional de Odontologia de São Paulo, Emil Razuk: cuidar dos dentes vai muito além de ter um sorriso branco e brilhante.

Segundo o especialista, uma cárie não tratada pode gerar complicações graves. “A necrose do nervo vira um campo de cultura. E como há muita comida por ali, as bactérias nadam de braçada”, afirmou Razuk ao G1. Engolidas, elas entram na corrente sanguínea, causam febre reumatóide e podem resultar em inflamações em diversos órgãos, como o coração e os olhos, e também nos nervos e nas articulações.
“Na infância, 40% dos casos de febre reumatóide têm origem em infecções buco-dentárias”, explicou o dentista.

Em alguns deles, os sintomas da inflamação podem demorar anos para se manifestar. E ter conseqüências graves, como um infarto.

“O reumatismo pode produzir uma endocardite, uma infecção do endocárdio, que envolve o coração”, explica Razuk. “Uma pessoa de 30, 40 anos, que nunca sentiu nada, falece de infarto do miocárdio. Se você fizer uma análise mais profunda, vai ver que quando criança ela teve uma febre reumatóide”, diz o dentista.

Os cuidados dentários, no entanto, são mais do que simples escovação. É preciso evitar também bebidas alcoólicas e o fumo, dois dos principais fatores de risco para o câncer bucal, o quinto tumor mais freqüente em homens e o oitavo em mulheres. “É um câncer que se não tratado precocemente leva à morte e à mutilação. Porque a retirada do maxilar superior faz cair os olhos. Mutila de maneira que pode tirar o indivíduo da sociedade”, explica.

O ideal, para Razuk, é que dentistas e médicos trabalhassem mais próximos – como acontece em alguns países do primeiro mundo. Isso por que, além dos problemas bucais interferirem com o resto do organismo, muitas doenças também fazem o caminho inverso, e afetam a boca.

“Quase todas as doenças sistêmicas se manifestam na cavidade bucal, ou precedendo ou durante a sintomatologia da doença”, diz Razuk. “Por exemplo, o sarampo, que você pode diagnosticar por umas manchas que ficam na cavidade bucal e que aparecem de dois a sete dias antes da manifestação na pele”, explica. Outro exemplo é a leucemia. “Há uma hipertrofia da gengiva, principalmente na região dos molares, que surge intensamente antes mesmo da pessoa saber que tem câncer”, afirma o dentista.

Marilia Juste - G1 SP

HORA MUNDIAL (Clique sobre o país ou região)

SEGUIDORES