30 de abr de 2011

O Veneno da Mulher Brasileira : Maria

Veja o ensaio
Nome: Maria Melilo
Nascimento: 22/11/1983
Signo: Sargitário
Apelido: Mary e Meg
Homem bonito: David Beckham
Mulher bonita: Megan Fox
Parte do corpo que mais gosta: Pernas
Perfume: Angel, de Thierry Mugler
Comida preferida: Japonesa
Ídolo: Fernanda Montenegro
Filme: "Em busca da felicidade"
Livro: “Como deixar os homens aos seus pés”, da autora Marie Forleo
Viagem: Havaí
Frase: “Viva intensamente cada dia de sua vida”

Fotos: Marcos Serra Lima (Paparazzo)


25 de abr de 2011

Ativistas do Greenpeace simulam acidente nuclear no Rio de Janeiro



Fumaça laranja foi disparada no local, na manhã desta segunda-feira (25).
Eles pedem suspensão do financiamento de construção de Angra III.

Do G1 RJ
protesto do BNDES (Foto: Divulgação)Protesto no BNDES simulou acidente nuclear no Centro do Rio (Foto: Divulgação/Greenpeace)
Ativistas do Greenpeace fizeram um protesto, na manhã desta segunda-feira (25), em frente ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), no Centro do Rio.
Na véspera do aniversário de 25 anos de Chernobyl, eles simularam um acidente nuclear, disparando uma fumaça laranja no local. O objetivo era fazer um alerta sobre os perigos de um acidente nuclear e um apelo para que o BNDES suspenda o financiamento para a construção da usina nuclear de Angra III.
O Centro de Operações Rio informou que o protesto não causou reflexos no trânsito.

Dá para acreditar, essa cena em São Paulo|?



Imagem foi feita por volta das 11h40 desta segunda-feira (25).
Carro passava na rua Heitor Penteado, perto do metrô Vila Madalena.

Andreia Ferreira ChiuratoInternauta, São Paulo, SP
Excesso de carga em SP (Foto: Andreia Ferreira Chiurato/VC no G1)Por volta das 11h40 desta segunda-feira (25), carro quase tombando por carregar carga irregular altíssima na rua Heitor Penteado, perto do metrô Vila Madalena. A viatura da CET passou do lado e não fez nada (Foto: Andreia Ferreira Chiurato/VC no G1)

24 de abr de 2011

TRADIÇÕES PAGÃS NA PÁSCOA


Na Páscoa, é comum a prática de pintar ovos cozidos, decorando-os com desenhos e formas abstratas. Em grande parte dos países ainda é um costume comum, embora que em outros, os ovos tenham sido substítuidos por ovos de chocolate. No entanto, o costume não é citado na Bíblia. Portanto, este costume é uma alusão a antigos rituais pagãos. Ishtar ou Astarte é a deusa da fertilidade e do renascimento na mitologia anglo-saxã, na mitologia nórdica e mitologia germânica. A primavera, lebres e ovos pintados com runas eram os símbolos da fertilidade e renovação a ela associados. A lebre (e não o coelho) era seu símbolo. Suas sacerdotisas eram ditas capazes de prever o futuro observando as entranhas de uma lebre sacrificada. A lebre de Eostre pode ser vista na Lua cheia e, portanto, era naturalmente associada à Lua e às deusas lunares da fertilidade. De seus cultos pagãos originou-se a Páscoa (Easter, em inglês e Ostern em alemão), que foi absorvida e misturada pelas comemorações judaico-cristãs. Os antigos povos nórdicos comemoravam o festival de Eostre no dia 30 de Março. Eostre ou Ostera (no alemão mais antigo) significa “a Deusa da Aurora” (ou, novamente, o planeta Vênus). É uma deusa anglo-saxã, teutônica, da Primavera, da Ressurreição e do Renascimento. Ela deu nome ao Shabbat Pagão, que celebra o renascimento chamado de Ostara.

A páscoa no Judaísmo


Segundo a Bíblia (Livro do Êxodo), Deus mandou 10 pragas sobre o Egito. Na última delas (Êxodo cap 12), disse Moisés que todos os primogênitos egípcios seriam exterminados (com a passagem do anjo da morte por sobre suas casas), mas os de Israel seriam poupados. Para isso, o povo de Israel deveria imolar um cordeiro, passar o sangue do cordeiro imolado sobre as portas de suas casas, e o anjo passaria por elas sem ferir seus primogênitos. Todos os demais primogênitos do Egito foram mortos, do filho do Faraó aos filhos dos prisioneiros. Isso causou intenso clamor dentre o povo egípcio, que culminou com a decisão do Faraó de libertar o povo de Israel, dando início ao Êxodo de Israel para a Terra Prometida.
A Bíblia judaica institui a celebração do Pessach em Êxodo 12, 14: Conservareis a memória daquele dia, celebrando-o como uma festa em honra de Adonai: Fareis isto de geração em geração, pois é uma instituição perpétua .

A Páscoa Cristã


A Páscoa cristã celebra a Ressurreição de Jesus Cristo. Depois de morrer na cruz, seu corpo foi colocado em um sepulcro, onde ali permaneceu por três dias, até sua ressurreição. É o dia santo mais importante da religião cristã. Muitos costumes ligados ao período pascal originam-se dos festivais pagãos da primavera. Outros vêm da celebração do Pessach, ou Passover, a Páscoa judaica, que é uma das mais importantes festas do calendário judaico, celebrada por 8 dias e onde é comemorado o êxodo dos israelitas do Egito, da escravidão para a liberdade. Um ritual de passagem, assim como a "passagem" de Cristo, da morte para a vida.
A última ceia partilhada por Jesus Cristo e seus discípulos é narrada nos Evangelhos e é considerada, geralmente, um “sêder do pesach” – a refeição ritual que acompanha a festividade judaica, se nos ativermos à cronologia proposta pelos Evangelhos sinópticos. O Evangelho de João propõe uma cronologia distinta, ao situar a morte de Cristo por altura da hecatombe dos cordeiros do Pessach. Assim, a última ceia teria ocorrido um pouco antes desta mesma festividade.
A festa tradicional associa a imagem do coelho, um símbolo de fertilidade, e ovos pintados com cores brilhantes, representando a luz solar, dados como presentes. De fato, para entender o significado da Páscoa cristã atual, é necessário voltar para a Idade Média e lembrar os antigos povos pagãos europeus que, nesta época do ano, homenageavam Ostera, ou Esther – em inglês, Easter quer dizer Páscoa. Ostera (ou Ostara) é a deusa da Primavera, que segura um ovo em sua mão e observa um coelho, símbolo da fertilidade, pulando alegremente em redor de seus pés nus. A deusa e o ovo que carrega são símbolos da chegada de uma nova vida. Ostara equivale, na mitologia grega, a Deméter. Na mitologia romana, é Ceres.

Saiba o que é a Páscoa?

Páscoa (do hebraico Pessach, significando passagem através do grego Πάσχα) é um evento religioso cristão, normalmente considerado pelas igrejas ligadas a esta corrente religiosa como a maior e a mais importante festa da Cristandade. Na Páscoa os cristãos celebram a Ressurreição de Jesus Cristo depois da sua morte por crucificação que teria ocorrido nesta época do ano em 30 ou 33 da Era Comum. A Páscoa pode cair em uma data, entre 22 de março e 25 de abril. O termo pode referir-se também ao período do ano canônico que dura cerca de dois meses, desde o domingo de Páscoa até ao Pentecostes.
ORIGEM DO NOME
Os eventos da Páscoa teriam ocorrido durante o Pesah, data em que os judeus comemoram a libertação e fuga de seu povo escravizado no Egito.
A palavra Páscoa advém, exatamente do nome em hebraico da festa judaica à qual a Páscoa cristã está intimamente ligada, não só pelo sentido simbólico de “passagem”, comum às celebrações pagãs (passagem do inverno para a primavera) e judaicas (da escravatura no Egito para a liberdade na Terra prometida), mas também pela posição da Páscoa no calendário, segundo os cálculos que se indicam a seguir.
No português, como em muitas outras línguas, a palavra Páscoa origina-se do hebraico Pesah. Os espanhóis chamam a festa de Pascua, os italianos de Pasqua e os franceses de Pâques.
Os termos "Easter" (Ishtar) e "Ostern" (em inglês e alemão, respectivamente) parecem não ter qualquer relação etimológica com o Pessach (Páscoa). As hipóteses mais aceitas relacionam os termos com Estremonat, nome de um antigo mês germânico, ou de Eostre, uma deusa germânica relacionada com a primavera que era homenageada todos os anos, no mês de Eostremonat, de acordo com o Venerável Beda, historiador inglês do século VII. Porém, é importante mencionar que Ishtar é cognata de Inanna e Astarte (Mitologia Suméria e Mitologia Fenícia), ambas ligadas a fertilidade, das quais provavelmente o mito de "Ostern", e consequentemente a Páscoa (direta e indiretamente), tiveram notórias influências.

23 de abr de 2011

Looks de Kate Middleton


O casamento será dia 29 de abril Foto: Mario Testino/AFP

“Programa do Jô” registra pior audiência de sua história


Por Ale Rocha .


Caiu a audiência do “Programa do Jô”. Segundo o jornalista Daniel Castro (“R7″), a temporada 2011 registra a mais baixa média de audiência de sua história. As primeiras 16 exibições do talk show neste ano registraram 6,4 pontos na Grande São Paulo, um a menos do que o mesmo intervalo em 2010. As 16 primeiras transmissões de 2009 renderam 7,8 pontos.
O resultado até aqui deixa o “Programa do Jô” abaixo de sua média em todo o ano de 2010, que foi de 7 pontos.
Trata-se apenas da confirmação em números da queda de qualidade. Mesmo sob fortes críticas nos últimos anos, o “Programa do Jô” permanece firme e forte na grade de programação da Globo. Porém, com essa audiência, o apresentador terá que suar seu terno xadrez de festa junina se não quiser enfeitar alguma geladeira da emissora.
Sempre existiram ressalvas ao desempenho de Jô Soares no comando de um talk show. Ele fala mais que seus entrevistados, interrompe exposições e costuma fazer piadas inadequadas. No entanto, seu programa era uma razoável opção para o início da madrugada. Contudo, de uns cinco anos para cá, o “Programa do Jô” degringolou de uma forma assustadora.
Dos convidados ao figurino do apresentador, nada parece funcionar. Sim, parece vil falar das roupas utilizadas por ele, mas não é. Que telespectador de bom gosto consegue ficar sintonizado durante uma hora ou mais vendo os ternos de festa junina de Jô Soares, um xadrez sem qualquer identificação ou caimento com o apresentador?
Por preguiça ou tentativa de não fazer justamente o que todos esperam, o “Programa do Jô” acaba não fazendo bom proveito do elenco de estrelas da Globo. Muitas vezes, ao longo de uma semana, apenas um ou dois contratados pela emissora aparecem por lá. Isso não quer dizer que uma entrevista com o jornalista Tadeu Schmidt (“Fantástico”) seja mais interessante do que um bate-papo com José Luiz da Rocha, anão e porteiro em um hotel de luxo. Há espaço para todos. Contudo, a má escalação dos convidados, muitas vezes dando espaço demais para desconhecidos desinteressantes, obviamente leva a queda da audiência.
Fernanda Lima e Jô Soares
Outro fato lamentável no “Programa do Jô” é a aparente falta de interesse do apresentador com seu trabalho. Desde os tempos de “Jô Soares Onze e Meia” (SBT) muita coisa mudou. Cada vez mais ele segue a risca o roteiro preparado pela produção, com nítidos sinais de que apenas passou os olhos sobre as perguntas antes da gravação, inibindo a capacidade de improvisação.
Na maior parte do tempo, Jô Soares apenas lê as perguntas preparadas. Em alguns casos, a leitura é relapsa. Ele solta frases do tipo “e aí, me conta a história do periquito”. A questão é feita tão fora de contexto que, além de quebrar a dinâmica do bate-papo, não é raro pegar o entrevistado de surpresa. “Periquito? Que periquito?”
Até a falta de algumas expressões corporais que revelam interesse é frequente – olhos fixos no entrevistado e corpo curvado em direção ao interlocutor, por exemplo. Compare uma entrevista de Jô Soares e de Marília Gabriela. Salta aos olhos o interesse e o preparo prévio da apresentadora. Claro que ela também conta com o suporte de uma produção, mas não deixa que o esforço da equipe seja o suficiente.
Por tudo isso, a queda na audiência é perfeitamente compreensível. O “Programa do Jô” se acomodou em berço esplêndido. Parou no tempo sobre o trono da emissora líder em audiência no país.
O apresentador iniciou sua carreira como entrevistador em 1988, no SBT, com o “Jô Soares Onze e Meia”. Permaneceu na emissora de Silvio Santos até 1999, quando retornou para a Globo, onde já tinha feito programas humorísticos como “Faça Humor, Não Faça a Guerra”, “Planeta dos Homens” e “Viva o Gordo”.
Justificar a falta de agilidade do “Programa do Jô” pelos longos anos em exibição não é algo aceitável. Nos Estados Unidos, o “The Late Show with David Letterman” (GNT) tem quase a mesma duração da atração nacional. Mesmo assim, apresenta um fôlego muito, muito maior.
Para tentar aumentar a audiência do “Programa do Jô”, a Globo ampliou o número de chamadas. Pouco provável que isso resolva, pois o problema é a preguiça generalizada na produção. Não ficarei surpreso se, durante o anúncio da programação do próximo ano, a Globo reduzir ou cancelar o “Programa do Jô”. Desgastado, o talk show pode ter o mesmo destino do “Casseta & Planeta, Urgente!”.

HORA MUNDIAL (Clique sobre o país ou região)

SEGUIDORES